background
  • Assembleia Geral Extraordinária
  • Número Solidário
  • Número Solidário

Se pensa que o cão ou gato pode estar em sofrimento ou risco de vida, venha já. O nosso hospital está aberto 24h/dia, todos os dias do ano.
NUNCA dê medicamentos ao seu animal sem falar com um veterinário. Alguns medicamentos de uso humano são tóxicos para cães e gatos. Alguns medicamentos de cães são tóxicos para gatos, e vice-versa.

a) Que animais são atendidos na AZP?
Neste momento apenas atendemos cães e gatos. Não temos atendimento para animais exóticos. Pode ver contactos de veterinários de animais exóticos aqui.

b) Não sou sócio; posso ir à AZP?
Qualquer pessoa se pode dirigir à AZP com o seu animal para consulta, a qualquer hora. Quer seja sócio ou não. Veja aqui como se pode inscrever como sócio e quais as vantagens.

c) Como posso saber se o meu animal está doente?
Nem todas as doenças apresentam sintomas bem definidos inicialmente. Muitas vezes apenas a pessoa responsável do animal, por o conhecer muito bem, irá dar conta de pequenas alterações no seu comportamento.

Em caso de dúvida, não hesite e leve o animal a uma consulta. O tratamento de um problema no seu início contribui para o restabelecimento rápido e efetivo da saúde do seu animal.

Alguns sintomas são característicos de várias doenças e indicam uma ida urgente ao veterinário: Vómitos, diarreia, falta de apetite, emagrecimento, sede excessiva, prostração, apatia, febre, irritação sem motivo aparente ou começar a urinar ou defecar em locais inapropriados.

Qual o preço de uma consulta de urgência?
Se vier no período normal de funcionamento (2a feira a sábado, 9h às 21h) o valor da consulta é de 16.00€ para sócios ou 30.00€ para não sócios.
Durante a noite (21h às 9h do dia seguinte) o valor da consulta é de 50.00€ para sócios ou 75.00€ para não sócios.
Aos domingos e feriados, das 9h às 21h, o valor da consulta é de 35.00€ para sócios ou 53.00€ para não sócios.
A taxa do horário de urgência aplica-se apenas ao valor da consulta. Os restantes produtos/serviços têm o mesmo custo em qualquer dia ou horário.
Para além da consulta, os restantes preços variam consoante o tratamento específico que cada animal necessite.

e) Linha Saúde Animal 24
Esta linha gratuita nacional de atendimento 24h foi, infelizmente, interrompida por tempo indeterminado, por falta de verbas. Mas o site continua a funcionar para esclarecer dúvidas que possam surgir.
http://saudeanimal24.com.pt

f) O meu animal precisa de cirurgia/internamento mas já foi assistido em outro veterinário. Apenas preciso de um orçamento da AZP; o que posso fazer?
Desde que o animal já esteja a ser assistido e se encontre estabilizado, basta enviar-nos email para info@azp.pt
Por favor indique a idade e peso do animal, se tem vacinas, e envie relatório/requisição médica, análises e outros exames que tenham sido já efectuados.

A AZP tem animais para adoção em Famílias de Acolhimento Temporário, pois não temos albergue.

a) Quero adotar um cão ou um gato
Por favor veja os animais disponíveis para adoção no nosso site ou página de facebook, ou envie email para adocoes@azp.pt

b) Quero dar um animal para adoção
Deve colocar anúncio nos sites próprios para anunciar animais. É importante colocar em todos. Por favor envie-nos o link de um dos anúncios por email, para podermos divulgar junto dos nossos clientes. Também pode contactar o Centro de Recolha Oficial da área de residência ou falar com Associações de Proteção que tenham albergue.
No entanto, lembre-se que todas as associações se debatem com enormes dificuldades, em termos de meios económicos e humanos. Não há qualquer apoio por parte do estado.
Como resultado, os albergues são locais onde os animais são recolhidos, com maior ou menor conforto, mas onde resta pouco tempo para festinhas ou brincadeiras. O esforço enorme despendido por quem trata deles mal chega para os alimentar e tratar de cuidados básicos de saúde. Os poucos voluntários nada recebem e dão tudo o que têm, mas não chega. Um albergue nunca será parecido com uma casa.

Por estes motivos, antes de se dirigir a uma associação, aconselhamos a tirar boas fotografias e fazer anúncio de adopção, colocando em vários sites e em lojas de animais, clínicas veterinárias, etc.

a) Encontrou um animal ferido na rua
Se for um cão ou um gato, por favor contacte a PSP, tel. 217654242 e a Casa dos Animais de Lisboa, tel. 21817230. Se desejar trazer o animal a uma consulta, o nosso hospital está aberto 24h.

Se está noutro ponto do país, deve ligar para o Centro de Recolha Oficial da zona e para as Autoridades, ou deslocar-se a um Centro de Atendimento Veterinário.

Se é uma ave ou outro animal silvestre, deverá contactar o Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa, tel. 218170200. Durante a noite ou apenas para recolher, poderá contactar a Polícia Florestal de Monsanto tel. 218171103 ou a GNR tel. 808200520. Por favor note que estas entidades NÃO TRATAM o animal; fazem apenas o transporte e acolhimento até poderem entregar no Centro de Recuperação. Se está noutro ponto do país, deverá contactar a GNR tel. 808200520.

b) Encontrou um cão ou gato na rua
Deverá ver se o animal tem microchip e se a família está à procura dele. Siga por favor todas as indicações do site Encontra-me

Caso não possa recolhê-lo, contacte por favor o Centro de Recolha Oficial da área de residência ou Associações de Proteção que tenham albergue.

No entanto, lembre-se que todas as associações se debatem com enormes dificuldades, em termos de meios económicos e humanos. Não há qualquer apoio por parte do estado. Como resultado, os albergues são locais onde os animais são recolhidos, com maior ou menor conforto, mas onde resta pouco tempo para festinhas ou brincadeiras. O esforço enorme despendido por quem trata deles mal chega para os alimentar e tratar de cuidados básicos de saúde. Os poucos voluntários nada recebem e dão tudo o que têm, mas não chega. Um albergue nunca será parecido com uma casa.

Por estes motivos, antes de se dirigir a uma associação, aconselhamos a tirar boas fotografias e fazer anúncio de adopção, colocando em vários Sites e em lojas de animais, clínicas veterinárias, etc. Por favor envie-nos o link de um dos anúncios por email, para podermos divulgar junto dos nossos clientes.

c) Encontrou uma ave ou outro animal silvestre
Em Lisboa, contacte por favor o Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa, tel. 218170200.

Fora do horário de funcionamento do Centro, a Polícia Florestal de Monsanto tel. 218171103 pode recolher o animal.

Se não conseguir entregar o animal em Monsanto, poderá contactar o Serviço de Proteção à Natureza da GNR tel. 808200520. No entanto eles têm poucos meios e podem não chegar a tempo ao local, sobretudo se o animal estiver numa situação de risco (frio, calor, atropelamento ou queda).

Em todo o país, contacte o Serviço de Proteção à Natureza da GNR, Tel. 808200520.

d) Encontrei um pombo, o que posso fazer?
Infelizmente não existem centros próprios para recolha e tratamento de pombos em Portugal, à semelhança do que acontece com muitas outras espécies.

Os pombos não têm lugar nos canis e gatis municipais, e não são considerados animais silvestres, pelo que também não são recebidos pelos centros de recuperação. As associações de proteção animal estão sobrelotadas até à exaustão com cães e gatos abandonados, e não têm condições para acolher outras espécies, como pombos, roedores, tartarugas, etc.

Cabe a cada pessoa decidir a melhor decisão a tomar, e o importante é não deixar um animal indefeso em sofrimento.

• Encontrou um pombo ferido ou doente?

Por favor leve-o a uma consulta com um médico veterinário que atenda animais exóticos. No centro de Lisboa há várias clínicas veterinárias que prestam este serviço; pode ver Aqui os contactos. Depois de tratado, se é um pombo adulto, pode voltar a soltá-lo no mesmo local.

• Encontrou um pombo bebé, e ele aparenta estar saudável e bem alimentado

Se souber ou conseguir descobrir onde está o ninho, volte a colocá-lo lá.

Havendo essa hipótese, vale a pena pedir um escadote emprestado ou tocar às campainhas do prédio para chegar a uma varanda. A menos, claro, que tenha motivos para crer que o pombinho foi atirado de propósito por alguém mal intencionado, ou que exista outro motivo grave que impeça a permanência no ninho.

- Se não houver hipótese de descobrir onde está o ninho: o borracho terá que ser alimentado várias vezes ao dia (mas não durante a noite). Nas lojas de produtos para animais existem papas especiais para alimentação de aves bebés, por meio de seringa. Na loja saberão dar-lhe as indicações necessárias no que diz respeito às quantidades de alimento e frequência de alimentação.

- É natural que tenha dúvidas, e o bebé pode adoecer, como qualquer outro animal. O ideal será sempre levá-lo a um veterinário que atenda animais exóticos, para ver se está tudo bem, e para obter conselhos para o futuro.

- Por volta dos dois meses de idade o pombo pode ser solto, desde que esteja a comer sozinho e a voar bem. Esta é a fase que precisa de maiores cuidados, pois o bebé não aprendeu com os pais a procurar alimento. Deverá ser solto num local protegido, em que já existam outros pombos, e onde seja fornecida alimentação adequada. Desta forma, poderá ir aprendendo aos poucos.

• Os pombos podem ser adotados?
O pombo pode ser adotado, caso não possa ser solto por haver algum impedimento físico ou psicológico. Há várias pessoas que têm pombos em casa como companheiros, tal como papagaios, periquitos ou outras espécies de aves. Há vários Sites próprios em que pode colocar anúncio de adoção.

• Que idade tem o pombo? Veja aqui.

• Com quem posso falar para esclarecer dúvidas?
Existem vários sites, fóruns online e páginas no facebook:
https://www.facebook.com/Pela-Vida-e-Dignidade-dos-Pombos-976795469007974/
https://www.facebook.com/pombos.defaro.1
https://www.pigeons.biz/forums/
https://www.facebook.com/salvemaspombas/

e) A AZP apanha animais na rua?
Não; a AZP é um Hospital Veterinário, e não temos meios humanos para fazer capturas na rua.

Se se trata de um animal ferido que não consegue apanhar, por favor contacte o Centro de Recolha Oficial da área.

Se pretende esterilizar uma colónia de gatos, deverá ter uma armadilha de captura para o efeito.

Para mais informações contate-nos para info@azp.pt ou consulte o site da Associação Animais de Rua.

f) A AZP acolhe animais de rua?
Não, pois a AZP é um hospital veterinário e não tem albergue de animais.
Deve contactar o Centro de Recolha Oficial da área de residência ou falar com Associações de Proteção que tenham albergue.

No entanto, lembre-se que todas as associações se debatem com enormes dificuldades, em termos de meios económicos e humanos. Não há qualquer apoio por parte do estado.
Como resultado, os albergues são locais onde os animais são recolhidos, com maior ou menor conforto, mas onde resta pouco tempo para festinhas ou brincadeiras. O esforço enorme despendido por quem trata deles mal chega para os alimentar e tratar de cuidados básicos de saúde. Os poucos voluntários nada recebem e dão tudo o que têm, mas não chega. Um albergue nunca será parecido com uma casa.

Por estes motivos, antes de se dirigir a uma associação, aconselhamos a tirar boas fotografias e fazer anúncio de adopção, colocando em vários Sites e em lojas de animais, clínicas veterinárias, etc. Por favor envie-nos o link de um dos anúncios por email, para podermos divulgar junto dos nossos clientes.

g) A AZP esteriliza animais errantes?
Sim. A esterilização aumenta a esperança de vida dos animais e é o único modo de acabar com o sofrimento de cada vez mais animais que nascem sem perspetivas de segurança, alimentação ou vida digna. Para mais informações contacte-nos para info@azp.pt
ou consulte os sites da Associação Animais de Rua e Esteriliza-me.

h) Como esterilizar colónias de gatos na rua?
Agradecemos a sua preocupação com os gatos que vivem na rua. A seguir indicamos todas as hipóteses possíveis, para que possa decidir qual a melhor solução para o seu caso.
Lembre-se que pode utilizar vários meios ao mesmo tempo; os gatos podem ser esterilizados através da ajuda de várias entidades.

• Para residentes em Lisboa e outros municípios que adotaram o programa CER/CED: a Casa dos Animais pratica o programa CER — Captura, Esterilização e Recolocação. Pode inscrever a colónia de gatos no Programa CER e as capturas serão feitas pela Casa dos Animais ou por associações com acordo com a CMLisboa.
Pode ver aqui.
Para candidatar estas colónias ao programa CER deverá enviar email para casa.dos.animais@cm-lisboa.pt
Deverá explicar onde estão as colónias, a quantidade de animais e que deseja esterilizá-los e tornar-se responsável pelas colónias no futuro.

• Candidatar a colónia à Associação Animais de Rua
A Associação Animais de Rua, para além de ter acordos de esterilização mais barata para animais de rua com várias clínicas veterinárias, possibilita também a existência de padrinhos de esterilização, através da visibilidade da colónia no site da associação.
As pessoas inscrevem-se para apadrinhar um ou vários animais da mesma colónia, e o voluntário pode deste modo conseguir as esterilizações sem as pagar do seu bolso. Esta alternativa pode, no entanto, ser demorada, pois obriga a esperar por padrinhos/madrinhas de esterilização.

• Financiamento através de redes sociais.
O facebook e outras redes sociais permitem a angariação de donativos para causas específicas, seja através de aplicações próprias para o efeito, seja através da simples divulgação e pedido de transferência para a conta bancária do voluntário. É importante mostrar provas e fornecer o máximo de detalhes acerca da situação.

• O voluntário paga do seu bolso
Muitas vezes se opta por este investimento, porque permite esterilizar rapidamente pelos menos alguns animais em situação mais urgente.

Se houver um conjunto de pessoas dispostas a contribuir com, por exemplo, 15 euros por mês cada uma, rapidamente se consegue esterilizar uma colónia.

Lamentamos o falecimento do seu animal de companhia.
Infelizmente neste momento há várias questões práticas a considerar. Vamos tentar ajudá-lo nesta altura difícil. Se o animal é assistido habitualmente em outro veterinário (não na AZP), aconselhamos o contacto com o médico-veterinário habitual.

a) Estamos em casa, é de noite e não tenho carro. O que posso fazer?
Se está em Lisboa, por favor contacte a Casa dos Animais, tel. 218172300 para recolherem o cadáver para cremação coletiva. Ser-lhe-á cobrada uma taxa pela recolha.
Em qualquer local do país, os hospitais veterinários estão abertos 24h e recebem os cadáveres para cremação coletiva, mediante o pagamento de uma taxa. Contacte por favor o hospital mais próximo e a empresa de táxis habitual. Avise a pessoa que atender a chamada que pretende transportar um cadáver de um animal que acabou de falecer até ao hospital veterinário.

Em qualquer local do país, pode chamar uma empresa funerária animal, que trata de todo o processo e realiza cremação coletiva ou individual. Veja aqui.

b) Cremação coletiva
A cremação coletiva é realizada pelas Câmaras Municipais ou empresas especializadas em gestão de resíduos, com forno crematório. Não há possibilidade de entrega das cinzas ou de assistir ao processo.

A maior parte dos veterinários recebem o corpo dos animais para cremação colectiva, e a maior parte dos Centros de Recolha Oficiais também.

Deverá contactar o Centro de Recolha Oficial da área de residência ou o veterinário habitual, ou o veterinário mais próximo. Dependendo do município, os serviços camarários podem estar encerrados durante a noite, fins de semanas e feriados. Se o seu veterinário habitual estiver encerrado ou estiver longe, contacte por favor o Hospital Veterinário mais próximo, que estará aberto 24h.
As taxas variam consoante o município ou consoante o Centro Veterinário.
As empresas habitualmente conhecidas por prestarem serviços de cremação individual também realizam serviços de cremação coletiva, compreços mais acessívais. Veja aqui os contactos.

c) Cremação individual
A cremação individual proporciona um serviço semelhante aos funerais humanos, mas tem um custo mais elevado (entre os 150€ e 700€, consoante a empresa, o peso do animal e os serviços prestados, valores obtidos em 2018).

Há vários serviços de funerárias próprias para animais, e várias prestam serviços em todo o país, incluindo ilhas. Recolhem o animal em casa ou no veterinário e tratam de todo o processo, com várias opções. Veja aqui alguns contactos de empresas funerárias para animais.

d) A Câmara Municipal recebe gratuitamente o corpo do animal?
Em Lisboa sim, para residentes em Lisboa (tem que apresentar o comprovativo de residência). Contacte por favor a Casa dos Animais, tel. 218172300.

No resto do país, as taxas variam consoante o município.

Segundo o artigo 12º do DL 314/2003, compete às câmaras municipais assegurar que a destruição dos cadáveres de cães e gatos seja realizada de acordo com o Regulamento (CE) n.o 1774/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Outubro.
A maior parte das câmaras municipais não tem um forno crematório próprio para este fim, pelo que recorrem aos serviços de empresas especializadas. Este serviço é cobrado às câmaras municipais, e reflete-se nas taxas cobradas aos munícipes. Em alguns municípios é uma taxa única, que vai dos 7,00€ aos 36,86€. Em outros municípios é cobrada consoante o peso do animal, e vai dos 9,00€ aos 107,00€. Em alguns municípios o serviço é gratuito.
Deverá contactar o Centro de Recolha Oficial da área de residência para obter mais informações.

e) Porque não devo enterrar o animal?
Não é aconselhável enterrar o animal, seja no próprio quintal ou em outro terreno, por razões de segurança para a saúde humana e animal, e é proibido por lei, porque:
O corpo do animal pode ser desenterrado por outro animal ou por outras pessoas.
O corpo do animal vai entrar em decomposição e contaminar lençóis de água.
Se teve alguma doença, pode transmiti-la a outros animais da mesma espécie.
Segundo o artigo 23º, do anexo "REGULAMENTO DE CLASSIFICAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO E REGISTO DOS CARNÍVOROS DOMÉSTICOS E LICENCIAMENTO DE CANIS E GATIS", da portaria 1427/01 de 15/12/2001, a destruição dos cadáveres de cães e gatos compete às câmaras municipais, ou outras entidades devidamente licenciadas, tendo em conta a salvaguarda de quaisquer riscos para a saúde pública e ambientais.

f) O animal tinha microchip e estava registado na Junta de Freguesia; O que devo fazer?
Segundo o artigo 12º do decreto-Lei n.o 313/2003 de 17 de Dezembro, a morte ou desaparecimento de cão ou gato deverá ser comunicada pelo dono, detentor ou seu representante à respectiva junta de freguesia no prazo de 5 dias.

a) O que é a Associação Zoófila Portuguesa (AZP)?
A Associação Zoófila Portuguesa (AZP) é uma associação de proteção animal criada em 2001, com sede na cidade de Lisboa. A AZP é uma instituição humanitária de interesse público, que procura promover a proteção de todos os animais, apoiando os seus responsáveis e também os associados que intervenham em sua defesa. O principal meio de atuação da AZP é a prestação de cuidados de saúde através do Hospital Veterinário.

b) A AZP e a União Zoófila (UZ) são a mesma Associação?
Não. A AZP e UZ são duas associações de proteção animal diferentes, existem em locais diferentes e têm missões diferentes. Pode consultar o site da União Zoófila aqui e o da AZP em www.azp.pt.

c) Os sócios da UZ têm algum benefício na utilização do Hospital da AZP?
Sim, graças a um protocolo entre a AZP e a UZ, os sócios da AZP têm direito aos mesmos preços que os sócios da AZP, na utilização do hospital veterinário e em todos os produtos e serviços.

d) Quais as vantagens em ser sócio da AZP?
Os sócios da AZP têm direito a preços reduzidos no nosso hospital veterinário. Esta vantagem começa no momento da inscrição. A inscrição pode ser feita na altura da primeira consulta ou a qualquer momento.

e) Como me posso tornar sócio da AZP?
No caso de vir a uma consulta proximamente, poderá fazer a inscrição de sócio e respetivo pagamento ao balcão da AZP no momento da consulta. O direito ao usufruto das condições de sócio é imediato.

A inscrição é apenas o preenchimento de um formulário com os seus dados.

Se desejar fazer a inscrição antes de se dirigir à AZP, poderá reenviar-nos Esta ficha preenchida, juntamente com o comprovativo de transferência para a nossa conta, com o IBAN: PT50 0033 0000 4537 4094 879 05

f) Quanto custa ser sócio da AZP?
Os sócios da AZP pagam uma quota anual 27€ por ano.

Na inscrição de sócio paga 31.00€, valor que inclui a primeira quota anual (com validade de 12 meses) e uma joia de inscrição no valor de 4€.

g) Qual o IBAN da AZP??
PT50 0033 0000 4537 4094 879 05
Por favor envie comprovativo para tesouraria@azp.pt sempre que fizer uma transferência, pois de outra forma não saberemos a quem pertence.

h) Quero ajudar a Associação; como posso fazê-lo?
Agradecemos-lhe muito. Por favor consulte a secção como ajudar.

i) Quero fazer um pedido de ajuda à Associação; como posso fazê-lo?
Por favor envie email para info@azp.pt e indique o máximo de detalhes da situação. Este email será enviado à Direção da AZP para análise.

Se tem um animal em sofrimento ou risco de vida, por favor dirija-se de imediato ao nosso hospital.

Entretanto, veja por favor o nosso folheto acerca de Como fazer apelos para donativos

Se pensa que o cão ou gato pode estar em sofrimento ou risco de vida, venha já. O nosso hospital está aberto 24h/dia, todos os dias do ano.
NUNCA dê medicamentos ao seu animal sem falar com um veterinário. Alguns medicamentos de uso humano são tóxicos para cães e gatos. Alguns medicamentos de cães são tóxicos para gatos, e vice-versa.

a) Qualquer pessoa pode trazer os seus animais ao hospital da AZP?
Sim. Qualquer pessoa se pode dirigir à AZP com o seu animal para consulta, a qualquer hora. Quer seja sócio ou não.

b) Onde está a AZP?
A nossa morada é Avenida Luís Bívar nº 85 – C, 1050-143 Lisboa. Estamos próximos das estações de metro de S. Sebastião e Saldanha. Esta é a nossa única localização.

c) Qual é o horário de atendimento para consultas, vacinas, outros exames e tratamentos?
O período normal de funcionamento é de 2a feira a sábado, das 9h às 21h, exceto feriados.
O período de urgências noturnas é das 21h às 9h do dia seguinte, todos os dias do ano.
O período de urgência durante o dia aos domingos e feriados é das 9h às 21h.

d) Posso marcar consulta?
https://www.facebook.com/AZPortuguesa/ Sim. Pode marcar consultas, vacinas e outros procedimentos:
- Diretamente na nossa página de marcações.
- Através da nossa página de facebook, utilizando o botão Marcar Agora
- Contactando a AZP para info@azp.pt ou 217970827
Também pode vir sem marcação das 9h às 21h, de 2a feira a sábado.
As cirurgias são marcadas pelo veterinário durante a consulta pré-cirúrgica. Esta consulta é obrigatória antes de qualquer cirurgia. Para voltar ao menu inicial aguarde por favor.

Qual é o horário de entrega de animais para cirurgia?
Exceto situações combinadas individualmente, pode entregar o animal que vem para cirurgia a partir das 8h00 da manhã.

A que horas são as altas dos animais?
A hora da alta terá que ser previamente combinada com o médico responsável pelo internamento ou cirurgia. Habitualmente, as altas são dadas entre as 19h00 e as 20h00.

A que horas posso ligar para ter notícias do meu animal que está internado?
Pode ligar todos os dias, das 11h00 às 12h00 ou das 17h00 às 18h00.

A que horas posso ligar para ter notícias do meu animal que está internado?
Pode ligar todos os dias, das 11h00 às 12h00 ou das 17h00 às 18h00.

Quais são os preços do hospital?
Se vier no período normal de funcionamento (2a feira a sábado, 9h às 21h) o valor da consulta é de 16.00€ para sócios ou 30.00€ para não sócios.
Durante a noite (21h às 9h do dia seguinte) o valor da consulta é de 50.00€ para sócios ou 75.00€ para não sócios.
Aos domingos e feriados, das 9h às 21h, o valor da consulta é de 35.00€ para sócios ou 53.00€ para não sócios.
A taxa do horário de urgência aplica-se apenas ao valor da consulta. Os restantes produtos/serviços têm o mesmo custo em qualquer dia ou horário
Para além da consulta, o restante valor irá variar consoante o tratamento, análises ou intervenções específicas de que cada animal necessite.
Para outros preços e mais informações, por favor envie e-mail para info@azp.pt , descrevendo a situação. Mas se pensa que tem uma urgência, por favor venha já.
A inscrição de sócio custa 31 euros e pode ser feita na altura da primeira consulta ou a qualquer momento.

Quais são os preços do hospital?
O Hospital Veterinário realiza consultas, vacinas, esterilizações, castrações, outras cirurgias, ortopedia, internamento 24 horas, RX, ecografias, análises, e outros serviços. Para mais informações envie e-mail para info@azp.pt .
De momento não temos consultas para animais exóticos nem serviço de banhos ou tosquias.
De momento não temos consultas para animais exóticos nem serviço de banhos ou tosquias.
De momento não temos consultas para animais exóticos nem serviço de banhos ou tosquias.

Quais os médicos que dão consultas no Hospital?
O Hospital tem uma equipa vasta de profissionais, veja aqui.

Posso fazer a cirurgia do meu cão/gato na AZP?
Sim pode. A AZP tem veterinários especialistas em várias áreas de cirurgia. O animal terá que vir a uma consulta prévia, durante a qual será indicado o tipo de cirurgia e será marcada a mesma para uma data a combinar.

Posso esterilizar no Hospital da AZP cães, cadelas, gatos e gatas?
Sim pode. O animal terá que vir a uma consulta prévia, durante a qual será indicado o tipo de cirurgia e será marcada a mesma para uma data a combinar.

Posso esterilizar animais de rua na AZP?
Sim. A esterilização aumenta a esperança de vida dos animais e é o único modo de acabar com o sofrimento de cada vez mais animais que nascem sem perspetivas de segurança, alimentação ou vida digna. Para mais informações contacte-nos para info@azp.pt ou consulte os sites da #Associação Animais de Rua e #Esteriliza-me.

O meu animal precisa de cirurgia/internamento mas já foi assistido em outro veterinário. Apenas preciso de um orçamento da AZP; o que posso fazer?
Desde que o animal já esteja a ser assistido e se encontre estabilizado, basta enviar-nos email para info@azp.pt .
Por favor indique a idade e peso do animal, se tem vacinas, e envie relatório/requisição médica, análises e outros exames que tenham sido já efectuados.

O meu animal já foi a consulta na AZP, e quero pedir o relatório ou exames relativos à consulta.
Por favor envie email para info@azp.pt indicando o nome do animal e o nome do sócio/cliente da AZP. Voltaremos a contactá-lo assim que a encomenda estiver disponível para levantamento.

Preciso de encomendar ração ou medicamentos
Por favor envie email para info@azp.pt indicando o nome do animal e o nome do sócio/cliente da AZP. Voltaremos a contactá-lo assim que a encomenda estiver disponível para levantamento.

Quanto custa ser sócio da AZP?
Os sócios da AZP pagam uma quota anual 27€ por ano.
Na inscrição de sócio paga 31.00€, valor que inclui a primeira quota anual (com validade de 12 meses) e uma joia de inscrição no valor de 4€.

Qual o IBAN da AZP?
PT50 0033 0000 4537 4094 879 05
Por favor envie comprovativo para tesouraria@azp.pt sempre que fizer uma transferência, pois de outra forma não saberemos a quem pertence.

Como todas as Associações que sobrevivem sem apoios do Estado, também no caso da AZP é importante poder contar com a ajuda de quem se preocupa.

Com a crise económica e financeira estamos a ser confrontados com a necessidade de dar a mão a quem mais precisa. Para muitas pessoas esse gesto solidário vai fazer toda a diferença. Infelizmente, são cada vez mais os animais que precisam da nossa solidariedade para poder sobreviver.

Não se esqueça dos muitos milhares de animais que na rua ou em Associações por todo o país, contam consigo. Também aqui a solidariedade vai fazer a diferença, e não raras vezes, essa diferença representa a vida.
Se puder, ajude.

a) Inscrição de sócio
Os sócios da AZP podem beneficiar dos serviços do HOSPITAL VETERINÁRIO mas ser sócio é muito mais do que isso. É também uma das formas que tem ao seu alcance de contribuir para que Associação possa ajudar um número cada vez maior de animais desprotegidos ou de famílias carenciadas.

A AZP tem vindo a ser cada vez mais solicitada para responder a pedidos de ajuda envolvendo animais sinistrados, doentes e abandonados a necessitar de cuidados médico veterinários, que muitas vezes representam um elevado custo e que a associação suporta integralmente.

Fazendo-se sócio está a ajudar estes animais! Veja aqui.

b) Donativos
Pode fazer transferência para o nosso IBAN ou doar diretamente na nossa página de facebook, utilizando o botão "Doar", num dos nossos apelos.

Também pode começar uma Angariação de Fundos para a AZP através do seu facebook, pedindo aos seus amigos! É muito, muito simples; inicie sessão no FB e clique aqui para iniciar uma angariação.

Também aceitamos donativos em ração de cão ou gato, de qualquer marca ou sem marca nenhuma, mesmo que os sacos estejam abertos ou já tenham pouca quantidade.

c) Qual o IBAN da AZP?
PT50 0033 0000 4537 4094 879 05

Por favor envie comprovativo para tesouraria@azp.pt sempre que fizer uma transferência, pois de outra forma não saberemos a quem pertence.

d) Consignação de 0,5% do IRS
Infelizmente, neste momento ainda não é possível consignar 0.5% do IRS à maioria das Associações de Proteção Animal, apesar de muitas já terem o estatuto de utilidade pública.
Neste momento (2018), a única Associação de Proteção a Animais enquadrada é a Liga Portuguesa dos Direitos do Animal.

501626921 LIGA PORTUGUESA DOS DIREITOS DO ANIMAL

O reconhecimento da utilidade pública não dá direito, por si só, à consignação de 0.5€ do IRS. Além deste estatuto, a missão da organização é o fator principal de aprovação e inclusão na lista de entidades beneficiadas.

Até 2009, apenas as instituições religiosas eram contempladas. A partir daí, também "as instituições particulares de solidariedade social e as pessoas coletivas de utilidade pública que prossigam fins de beneficência ou de assistência ou humanitários" puderam beneficiar desta contribuição. Mas os " fins de beneficência ou de assistência ou humanitários" aplicam-se apenas a seres humanos, pelo que as Associações de Proteção Animal não se enquadram. O último grupo a ser contemplado refere-se às Pessoas Coletivas de Utilidade Pública de Fins Ambientais, no qual se podem, finalmente, incluir as Associações de Proteção Animal.

Mesmo sem podermos beneficiar por enquanto deste tipo de contributos, agradecemos-lhe muito pela sua iniciativa, e esperamos continuar a merecer a confiança que deposita no nosso trabalho.

e) Voluntariado
Agradecemos o seu contato e a sua disponibilidade para ajudar os animais que mais precisam!
Pode consultar a secção de voluntariado e preencher a ficha de inscrição no nosso site. Depois envie-nos por favor a ficha preenchida, para podermos encaminhar à responsável pelo voluntariado da AZP.

O trabalho feito pelos voluntários pode variar consoante a necessidade, mas depende sobretudo da preferência e disponibilidade de cada pessoa. Como existem tantas áreas de atuação, tentamos sempre distribuir o trabalho em função das competências pessoais.

- No que diz respeito ao apoio às auxiliares, as funções passam por passear os cães que estão internados, limpeza de boxes, banhos e alimentação.
- As campanhas de divulgação implicam a presença da associação em feiras ou bancas em supermercados para recolha de donativos. Os voluntários fazem o transporte do material necessário à participação e dos donativos, e ajudam no contato com o público durante a campanha.
- Na resposta imediata a pedidos de socorro, pode haver necessidade de dar boleia a um animal ferido para um hospital, levar um animal abandonado a uma família de acolhimento ou capturar um gato de rua (com a ajuda de uma armadilha) para ser esterilizado.
- A tradução de textos pode ser necessária na partilha de apelos ou informações no Facebook e no nosso site, ou nas próprias campanhas.

Apreciamos e agradecemos o tempo que cada pessoa puder dar. Porque somos sempre poucos, o mais importante é sabermos que poderemos contar com a pessoa nos dias/horas combinadas. Todo o tempo dos voluntários é precioso, independentemente de quanto tempo seja.

a) Que cuidados devo ter com um cachorro ou um gatinho?
Antes de adotar o cão/gato deve adquirir os equipamentos necessários: transportadoras, coleiras, trelas, arnês, trela para automóveis, mantas, camas, brinquedos, taças para água e comida, e caixote e areia no caso dos gatos.

É muito importante fazer um transporte seguro dos animais, sobretudo quando não existe ainda esse hábito. O cachorro ou gatinho pode ficar assustado na rua ou em veículos em movimento, e tentar esconder-se ou saltar, arriscando a sua segurança e a da família humana.

Os cachorros ou gatinhos requerem cuidados especiais para um desenvolvimento saudável e sociabilização.
O veterinário vai ajudar a família a tomar as decisões adequadas relativamente à alimentação, prevenção de doenças e estímulos comportamentais.
Leve o animal bebé a uma consulta o mais rapidamente possível, para fazer um exame completo e garantir que ele se encontra bem de saúde.
Nesta primeira visita será feito um plano de vacinação e desparasitação, bem como indicações acerca de uma alimentação adequada, sociabilização, treino e questões comportamentais.

Os cachorros e gatinhos precisam de ir ao veterinário várias vezes durante o primeiro ano de vida, para acompanhamento, cuidados de prevenção e segurança, e esterilização.

b) Porquê vacinar?
As vacinas ajudam a prevenir muitas doenças graves e por isso, são uma das melhores formas de contribuir para uma vida longa e saudável.
Existem várias vacinas diferentes, e todas ajudam a preparar o sistema imunitário do corpo para combater organismos que causam doenças.

PARA CÃES
As vacinas básicas ajudam a proteger o cão de doenças como a parvovirose, cinomose (esgana), hepatite canina, leptospirose e raiva. Outras vacinas são administradas dependendo do risco de exposição do cão, como as vacinas contra a tosse do canil ou leishmaniose.

O seu veterinário irá indicar-lhe quais são as vacinas mais adequadas ao seu animal e que permitirão a proteção mais eficaz ao longo da vida. A escolha depende da idade, historial médico, ambiente, hábitos de viagem e estilo de vida.

A vacinação deve ser sempre efectuada por um médico veterinário, pois requer a avaliação prévia do animal e a escolha da vacina adequada. Além disso, embora a maioria dos animais não apresente efeitos negativos provocados pela vacinação, as reações adversas podem requerer cuidados imediatos.

PARA GATOS
As vacinas básicas ajudam a proteger o gato de doenças como a panleucopénia, calicivírus ou rinotraqueíte. Outras vacinas são administradas dependendo do risco de exposição do gato, como as vacinas contra a raiva ou vírus da leucemia felina.

c) Porquê desparasitar?
Os parasitas são uma ameaça real para a saúde. Além do incómodo causado, podem levar ao aparecimento de várias doenças.
A solução passa pela avaliação minuciosa do animal e prevenção eficaz dos parasitas.

Existem parasitas internos (como as ténias, lombrigas, dirofilárias) e parasitas externos (como pulgas, carraças, piolhos, ácaros ou mosquitos). Ambos devem ser alvo de controlo rigoroso, utilizando produtos desparasitantes adequados a cada animal e contexto.

A permanência de parasitas pode provocar problemas de pele, vómitos, diarreias, perda de peso, anemia, diminuição do sistema imunitário ou mesmo insuficiência respiratória e cardíaca.

Uma desparasitação feita de forma incorrecta pode não fazer efeito, conduzindo à debilidade na saúde do seu animal, o que poderá levar a novas consultas e despesas adicionais no futuro.

Há uma vasta possibilidade de escolha de produtos desparasitantes. Embora a maior parte deles seja de administração fácil e esta possa ser feita em casa, deve sempre ser feito um plano de desparasitação por um médico veterinário.

É necessário escolher não apenas o produto, mas também o intervalo de administração — aquilo que é indicado para um animal pode não ser para outro. O bom planeamento da desparasitação, interna e externa, é fundamental para garantir o bom estado geral de saúde dos animais e dos humanos que com eles convivem.

Seja em pipeta, comprimido, xarope, coleira ou misturando várias opções, o importante é garantir que o animal tem sempre com a desparasitação em dia, feita de forma correcta e adequada às suas necessidades.

O veterinário identificará os riscos que corre cada animal e fará a escolha mais eficaz adaptada a cada paciente, fornecendo um plano de desparasitações regular, que deverá ser seguido cuidadosamente.

d) Porquê colocar o microchip?
O microchip é o primeiro passo para garantir a segurança dos animais ao seu cuidado, em caso de desaparecimento, fuga ou rapto.

A colocação é feita por um médico veterinário, que insere o microchip de forma simples e rápida sob a pele do animal.

Um microchip é minúsculo—pouco maior do que um grão de arroz — e contém um código de identificação único, que pode ser lido em qualquer veterinário, na maioria dos países.

Em Portugal, a implantação de microchip é obrigatória para todos os cães nascidos a partir de 1/7/2008. No entanto, é aconselhável para todos os animais de companhia, e pode ser realizada em cães, gatos, coelhos, aves e outras espécies.

O microchip complementa o uso de uma coleira com chapa identificadora, mas não a dispensa. Uma chapinha com os números de telefone é o modo mais rápido de devolver o animal à sua família. Mas uma coleira pode perder-se, e o microchip vai sempre poder ser lido.

A leitura do código do microchip possibilita o acesso aos contactos da família e outros dados acerca do animal, permitindo devolver rapidamente um animal perdido ao seu lar, mesmo que tenha sido encontrado a muitos quilómetros de distância, noutro país, ou muito tempo depois de se perder.

O microchip só é eficaz se os detalhes de contacto forem actualizados. Se mudar de casa, numero de telefone ou email, informe o seu veterinário ou contacte os serviços de registo de microchips. É muito importante que o faça de imediato, pois nunca sabemos quando pode acontecer uma situação de perigo.

Todos os cães e gatos devem estar registados na Junta de Freguesia da área de residência ou estabelecimento (no caso de animais registados em nome de uma entidade). Após a colocação do microchip pelo seu veterinário, deverá levar à junta de freguesia o boletim sanitário do animal e o comprovativo de identificação electrónica e registo no sistema oficial.

e) Porquê esterilizar?
A esterilização é a forma mais humana de controlar a população de cães e gatos, ao mesmo tempo que proporciona ao animal uma vida mais longa, saudável e feliz.

Todos os dias, em todo o mundo, são abatidos milhares de animais, apenas porque não há espaço para eles. Todos os dias milhares de animais abandonados morrem nas ruas, vítimas de atropelamento, envenenamento ou doenças. Todo este sofrimento pode ser evitado, com a sua ajuda. Basta esterilizar os seus animais.

CUSTO
O custo de uma cirurgia de esterilização é muito menos dispendioso do que os cuidados a ter com uma única ninhada. O custo da esterilização ou castração é também muito inferior ao custo dos tratamentos a problemas graves, como tumores ou infeções uterinas.
Para mais informações sobre a esterilização do seu animal, a melhor altura para a esterilização e as vantagens e desvantagens (que podem variar de acordo com a espécie, idade, porte, sexo do animal), consulte o seu médico veterinário. Conheça alguns dos benefícios:

Benefícios
Conheça alguns dos benefícios da esterilização/castração:

Vida mais longa e saudável
A esterilização das fêmeas elimina a 100% a possibilidade de tumores nos ovários ou útero, bem como infeções uterinas (piómetra). Além disso, ajuda a prevenir os tumores mamários, que são malignos em cerca de 50% das cadelas e 90% das gatas.

A castração dos machos previne o cancro dos testículos e alguns problemas de próstata. Reduz o risco de doenças transmitidas durante o acto sexual, para machos e fêmeas. Uma vez que diminui a agressividade entre machos, são também menos as doenças causadas por dentadas em lutas.

Melhorias no comportamento
Tanto machos como fêmeas ficam mais calmos e deixam de ter comportamentos relacionados com o cio.
- Há menos propensão para fugas, evitando desaparecimentos de animais e mortes por atropelamento.
- Diminui a competição entre machos, causada pela disputa pelas fêmeas.
- Desaparece a marcação do território com urina, ou é reduzida.
- Fim dos miados normais em gatas com o cio.
- Maior facilidade em passear um cão macho na rua, na proximidade de cadelas em cio.
- Acaba a dificuldade em passear uma cadela com o cio devido aos cães machos na rua.

f) Porque é tão importante socializar animais bebés
Os cães e gatos adultos que foram sociabilizados ativamente em bebés são menos propensos a ter medo em situações desconhecidas e adaptam-se melhor a mudanças no seu ambiente.

É importante notar que a sociabilização deve começar muito cedo. Nos gatos, o período fundamental é entre as 2 e as 7 semanas de vida, estendendo-se facilmente até aos três meses. Nos cães, a melhor altura é entre as 6 e as 16 semanas de idade.

As mães cadelas e gatas já fazem a sua parte naturalmente, e o acompanhamento dos bebés pelas mães até aos dois meses de idade é determinante no seu comportamento futuro.

Infelizmente, há situações em que isto não é possível, devido ao abandono dos bebés ou outras causas de força maior. Nesses casos, a socialização tem que ser totalmente feita pela família humana ou pelas famílias de acolhimento temporário.

Durante este tempo, os cães e gatos bebés estão mais recetivos a novas experiências, e tudo aquilo que encontrarem e aprenderem nesta idade, irão considerar como fazendo parte da vida normal no futuro: pessoas desconhecidas, crianças humanas, outros animais, outras casas, barulho, viagens de carro, idas ao veterinário, partilha de brinquedos e comida com outros animais, etc.

E EM ADULTO?
Embora seja mais fácil sociabilizar um animal quando ele é muito jovem, a verdade é que nunca é tarde para começar.

Neste momento, há vários centros e escolas de treino especializados em sociabilização de cães, e também de gatos. Veja os nossos Contactos de especialistas em comportamento.

O mais importante é nunca adiar, e não deixar por resolver um comportamento inapropriado, seja em que idade for.

g) Redes segurança
Entre 01/05/2017 e 31/10/2017 foram realizadas 51 cirurgias ortopédicas no nosso hospital, a maior parte delas resultado de quedas de janelas e varandas.
No verão de 2016, trinta e dois animais vítimas de quedas foram atendidos no Hospital da AZP, todos com necessidade de cuidados urgentes. Nem todos os casos acabaram bem.
Mas o hospital da AZP é apenas um. Centenas de animais vítimas de quedas chegam a todos os veterinários do país, principalmente no verão, em que as janelas estão abertas.
Ajude a reduzir estes números!
Empresas que colocam redes de segurança em janelas:
http://www.antikeda.com/index.php/en/14-destaques-2/3-protecao-para-animais
https://redesdeprotecaosv.wixsite.com/redessalvavidas/services
http://www.sosredes.com/fotografias/animais-domesticos/
Compra de rede online, para colocar em casa:
http://www.zooplus.pt/shop/gato/gateiras_redes/redes_varandas/redes_gato/363824 «
Veja o artigo "Os gatos não sabem voar", no site Encontra-me.

h) O que fazer em caso de viagem?
Pondere sempre as vantagens e desvantagens quando leva animais em viagem. Se receia que eles sintam desconforto ou ansiedade, sem que o objectivo o justifique, considere um serviço de pet sitting, hotel para animais, ou pedir a um amigo para tomar conta dos seus companheiros.

O animal deve ter microchip e uma coleira com os contactos dos responsáveis, mesmo em viagens curtas. O acompanhante deve levar uma fotografia, para poder mostrar em caso de perda.

Peça ajuda ao veterinário para atenuar o incómodo do seu animal. Existem produtos que ajudam a diminuir situações de ansiedade, mas devem ser administrados sob supervisão médica.

Se o animal necessita de medicação, informe-se com o veterinário se a viagem implica alterações na sua administração.

Prepare um kit de viagem com os documentos, comida, água, tigelas, sacos, areia, medicamentos, mantas e material de primeiros socorros.

Evite dar muita comida antes ou durante a viagem, para prevenir enjoos. O seu veterinário pode indicar a melhor maneira de reduzir as náuseas nas viagens.

Se for um animal pequeno, mantenha-o seguro dentro de uma caixa de transporte. Deixe-a aberta algum tempo antes da viagem, colocando lá dentro uma manta conhecida ou comida.

Viagens longas
Leve o seu animal a uma consulta. O certificado de boas condições de saúde é obrigatório para a maior parte dos destinos, e o veterinário poderá ajudá-lo a manter o animal tranquilo na viagem.

Antes da consulta, contacte a embaixada do país de destino e a companhia aérea, para saber os requisitos médicos necessários.

Se for de avião, prefira voos diretos, devido ao menor tempo de percurso e ausência de riscos decorrentes das escalas.
A caixa de transporte deverá obedecer às regras da companhia aérea. A porta deve estar bem fechada, mas poder abrir rapidamente numa emergência. Escreva "Animal Vivo" em vários idiomas, o seu contacto, e cole uma fotografia do animal. Prenda na transportadora um saco de alimentação e eventual medicação.

Se for de carro, a transportadora deve ser grande o suficiente para que o animal se possa pôr de pé, deitar-se ou esticar-se. Se for um gato, use um pequeno tabuleiro de areia. Prenda a caixa de transporte aos bancos do carro.
Se for um animal que viaje nos bancos, deverá usar cinto de segurança e arnês para cães, que não lhe permita aproximar-se das janelas ou saltar para o banco do condutor. Isto é essencial para a segurança de toda a família durante a viagem, e é uma exigência legal na maior parte dos países.

Nunca deixe o seu animal sozinho dentro do carro estacionado. Um animal sozinho dentro de um carro é uma vítima indefesa que não pode fugir, em caso de choque ou incêndio.

i) Que cuidados ter em tempo quente?
Leve os seus animais a uma consulta e saiba os cuidados a ter em relação à temperatura e doenças transmitidas por parasitas.

Reconheça os sintomas de um golpe de calor: respiração ofegante ou dificuldade em respirar, aumento da frequência cardíaca, fraqueza, convulsões ou mesmo colapso.

Preste muita atenção a animais muito jovens, idosos, com excesso de peso, problemas cardíacos ou respiratórios. Certas raças também são mais vulneráveis. Mantenha-os dentro de casa em ambiente fresco, e passeie-os nas horas mais frescas do dia.

A tosquia deve ser feita por um profissional. Nem todos os animais podem ser tosquiados, e o pelo também protege do calor excessivo e queimaduras solares.

Os passeios ao sol devem ser curtos, e nunca nas horas de maior calor. O chão pode queimar as patas dos animais.

Nunca deixe um animal sozinho dentro de um carro estacionado, mesmo que o carro esteja à sombra. O carro pode tornar-se um forno, e o animal sofrer um golpe de calor e desidratação, que podem levar à morte. Em qualquer época do ano, o animal é uma vítima indefesa que não pode fugir, em caso de choque ou incêndio.

Cuidado com os fogos de artifício. Não leve animais para a confusão e ruído próprios das festas, nem os deixe fora de casa sem supervisão. O melhor local é dentro de casa, em segurança.

Certifique-se de que há água acessível, limpa e fresca, em recipientes que não se entornem.

Não deixe animais sem supervisão próximo de piscinas ou do mar, pois nem todos são bons nadadores, e uma alteração inesperada das condições pode provocar uma tragédia.

As janelas abertas são um perigo, e não apenas para os gatos. Um passo em falso pode representar uma perna partida ou algo muito pior. Use redes nas janelas e varandas.<

i) Que cuidados ter em tempo frio?
Quando está frio demais para nós, também está frio demais para eles. Nem todos os animais estão adaptados para a vida ao ar livre, e podem adoecer ou morrer por hipotermia.
Lembre-se que mesmo um animal selvagem pode decidir e procurar o melhor local para se abrigar, mas um animal doméstico só terá aquilo que lhe for posto à disposição. Na dúvida, o melhor é mantê-los dentro de casa.

Animais jovens ou idosos precisam de maiores cuidados e atenção, e a exposição ao frio e à chuva deve ser evitada.

Quando é necessário sair, esteja sempre perto, e não prolongue os passeios mais do que o necessário. Pergunte ao seu veterinário de que forma a condição física do seu cão influencia a duração das caminhadas. Se estiver a chover ou muita humidade, seque o animal assim que entrar em casa. Leve uma toalha, ou várias, para passeios mais compridos.

Os animais com problemas articulares tendem a piorar durante os meses de inverno. Fale com o seu veterinário acerca dos cuidados a ter.

Leve os seus animais a uma consulta, para garantir que não existe um problema de saúde que os possa fragilizar. Certas doenças dificultam a regulação da temperatura do corpo.

Cuidado com as lareiras ou aparelhos de aquecimento dentro de casa. Não permita que os seus animais se aproximem demasiado, pois podem sofrer queimaduras ou provocar incêndios.

Nunca deixe um animal sozinho dentro de um carro estacionado.
Este é um aviso mais comum no verão, mas no tempo frio o carro atua como um frigorífico e o seu animal não tem como fugir ou abrigar-se. Nunca deixe o seu animal sozinho dentro do carro, seja qual for a estação do ano.

Evite tosquias completas no inverno, pois o pelo é o principal meio de aquecimento do seu companheiro.

Qualquer situação de maus tratos ou negligência deverá ser comunicada imediatamente às autoridades competentes. Em situação de urgência utilize os contactos telefónicos, mas depois denuncie por escrito!
PSP
defesanimal@psp.pt
Tel. 217654242
GNR
sepna@gnr.pt
Tel. 213217000
Deverá certificar-se de que lhe é indicado o n.º de denúncia, para que possa posteriormente seguir a evolução do caso.

A respeito do resgate de animais acorrentados, lembramos as indicações da Associação Pelos Animais. Deverá contactar as autoridades, uma vez que se trata de terreno privado.

" [...] Quando a sensibilização não surte efeito, ou quando o sofrimento de um animal acorrentado é de tal forma grave que exija uma intervenção imediata, recomenda-se que seja feita uma denúncia às autoridades competentes — afinal de contas, a legislação existe para ser cumprida.

Normalmente, a situação em que se encontram os animais acorrentados constitui violação de uma ou mais das seguintes disposições do Decreto-Lei n.º 276/2001 de 17 de Outubro (com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 315/2003 de 17 de Dezembro):
Artigo 8.º: 1 — Os animais devem dispor do espaço adequado às suas necessidades fisiológicas e etológicas, devendo o mesmo permitir: a) A prática de exercício físico adequado; b) A fuga e refúgio de animais sujeitos a agressão por parte de outros.
(…) Artigo 9.º: 1 — A temperatura, a ventilação e a luminosidade e obscuridade das instalações devem ser as adequadas à manutenção do conforto e bem-estar das espécies que albergam.
(…) 6 — As instalações devem dispor de abrigos para que os animais se protejam de condições climáticas adversas. (...)

As autoridades competentes para fiscalizar e fazer cumprir a legislação de bem-estar animal são as seguintes:
- A Guarda Nacional Republicana (GNR).
- A Polícia de Segurança Pública (PSP).
- A Polícia Municipal (PM).
- Os médicos veterinários municipais, enquanto autoridade sanitária veterinária concelhia.
- Direcção-Geral de Veterinária, enquanto autoridade veterinária nacional.
- Direcções regionais de agricultura, enquanto autoridades veterinárias regionais.
- O Instituto de Conservação da Natureza.

a) Porquê esterilizar?
A esterilização é a forma mais humana de controlar a população de cães e gatos, ao mesmo tempo que proporciona ao animal uma vida mais longa, saudável e feliz.

Todos os dias, em todo o mundo, são abatidos milhares de animais, apenas porque não há espaço para eles. Todos os dias milhares de animais abandonados morrem nas ruas, vítimas de atropelamento, envenenamento ou doenças. Todo este sofrimento pode ser evitado, com a sua ajuda. Basta esterilizar os seus animais.

CUSTO
O custo de uma cirurgia de esterilização é muito menos dispendioso do que os cuidados a ter com uma única ninhada. O custo da esterilização ou castração é também muito inferior ao custo dos tratamentos a problemas graves, como tumores ou infeções uterinas.

Para mais informações sobre a esterilização do seu animal, a melhor altura para a esterilização e as vantagens e desvantagens (que podem variar de acordo com a espécie, idade, porte, sexo do animal), consulte o seu médico veterinário.

BENEFÍCIOS
Conheça alguns dos benefícios da esterilização/castração:

Vida mais longa e saudável:
A esterilização das fêmeas elimina a 100% a possibilidade de tumores nos ovários ou útero, bem como infeções uterinas (piómetra). Além disso, ajuda a prevenir os tumores mamários, que são malignos em cerca de 50% das cadelas e 90% das gatas.
A castração dos machos previne o cancro dos testículos e alguns problemas de próstata. Reduz o risco de doenças transmitidas durante o acto sexual, para machos e fêmeas. Uma vez que diminui a agressividade entre machos, são também menos as doenças causadas por dentadas em lutas.

Melhorias no comportamento:
Tanto machos como fêmeas ficam mais calmos e deixam de ter comportamentos relacionados com o cio.
- Há menos propensão para fugas, evitando desaparecimentos de animais e mortes por atropelamento.
- Diminui a competição entre machos, causada pela disputa pelas fêmeas.
- Desaparece a marcação do território com urina, ou é reduzida.
- Fim dos miados normais em gatas com o cio.
- Maior facilidade em passear um cão macho na rua, na proximidade de cadelas em cio.
- Acaba a dificuldade em passear uma cadela com o cio devido aos cães machos na rua.

b) Posso esterilizar no Hospital da AZP cães, cadelas, gatos e gatas?
Sim. Terá que vir a uma consulta prévia, durante a qual será marcada a cirurgia para uma data a combinar.

c) Devo esterilizar o meu animal?
Sim, a menos que exista alguma indicação em contrário dada pelo veterinário. Como pode ver no site Esteriliza-me: “A esterilização é a forma mais eficaz e humana de contribuir para minorar o sofrimento dos animais de companhia. A esterilização não só combate o trágico sofrimento associado à superpopulação de cães e gatos, como também aumenta a esperança de vida dos animais e elimina ou reduz os comportamentos incomodativos associados ao cio nas fêmeas e à marcação de território nos machos.”

d) Como esterilizar colónias de gatos na rua?
Agradecemos a sua preocupação com os gatos que vivem na rua. A seguir indicamos todas as hipóteses possíveis, para que possa decidir qual a melhor solução para o seu caso.
Lembre-se que pode utilizar vários meios ao mesmo tempo; os gatos podem ser esterilizados através da ajuda de várias entidades.

Para residentes em Lisboa e outros municípios que adotaram o programa CER/CED: a Casa dos Animais pratica o programa CER — Captura, Esterilização e Recolocação. Pode inscrever a colónia de gatos no Programa CER e as capturas serão feitas pela Casa dos Animais ou por associações com acordo com a CMLisboa.
Pode ver aqui
Para candidatar estas colónias ao programa CER deverá enviar email para casa.dos.animais@cm-lisboa.pt
Deverá explicar onde estão as colónias, a quantidade de animais e que deseja esterilizá-los e tornar-se responsável pelas colónias no futuro.
) Candidatar a colónia à Associação Animais de Rua
A Associação Animais de Rua, para além de ter acordos de esterilização mais barata para animais de rua com várias clínicas veterinárias, possibilita também a existência de padrinhos de esterilização, através da visibilidade da colónia no site da associação.

As pessoas inscrevem-se para apadrinhar um ou vários animais da mesma colónia, e o voluntário pode deste modo conseguir as esterilizações sem as pagar do seu bolso. Esta alternativa pode, no entanto, ser demorada, pois obriga a esperar por padrinhos/madrinhas de esterilização.

) Financiamento através de redes sociais.
O facebook e outras redes sociais permitem a angariação de donativos para causas específicas, seja através de aplicações próprias para o efeito, seja através da simples divulgação e pedido de transferência para a conta bancária do voluntário. É importante mostrar provas e fornecer o máximo de detalhes acerca da situação.

) O voluntário paga do seu bolso
Muitas vezes se opta por este investimento, porque permite esterilizar rapidamente pelos menos alguns animais em situação mais urgente.
Se houver um conjunto de pessoas dispostas a contribuir com, por exemplo, 15 euros por mês cada uma, rapidamente se consegue esterilizar uma colónia.

e) A AZP esteriliza animais de rua?
Sim. A esterilização aumenta a esperança de vida dos animais e é o único modo de acabar com o sofrimento de cada vez mais animais que nascem sem perspetivas de segurança, alimentação ou vida digna. Para mais informações contacte-nos para info@azp.pt ou consulte os sites da Associação Animais de Rua e Esteriliza-me.

Chegaram as férias, para toda a família. Para quem tem animais em casa, esta altura do ano deve ser planeada a contar com eles, e com as suas personalidades e necessidades.
Pondere sempre as vantagens e desvantagens quando leva animais em viagem. Se receia que eles sintam desconforto ou ansiedade, sem que o objectivo o justifique, considere um serviço de pet sitting, hotel para animais, ou pedir a um amigo para tomar conta dos seus companheiros.

a) Vou estar fora. Como decidir se levo ou não o meu animal?
Antes de tomar uma decisão, pondere cuidadosamente o que é melhor para o seu animal e para si.
É claro que o cão ou gato (ou coelho, rato, pombo, furão, ...) fazem parte da família. Mas nem todos gostam de viajar.

Vantagens em levar o animal:
- Sabe que está consigo, por isso está bem.
- O animal tem medo de estranhos em casa e não se ambienta em hotéis, e assim está a ser tratado pela família que conhece.
- Tem mais tempo para lhe dedicar.
- É uma oportunidade para novas experiências.

Vantagens em levar o animal:
- Perigo de fuga: vão existir riscos que escapam ao controlo do dia a dia. Janelas e portas abertas por outra pessoa, motivos imprevisíveis que podem causar medo ao animal, uma trela ou transportadora que se partem num local estranho.
- O animal entra em pânico: não gosta de locais desconhecidos e prefere a sua própria casa.
- Se a casa de férias não for sua, é mais difícil arranjar locais que aceitem qualquer animal, embora neste momento já exista uma oferta bastante variada.
- Cuidados extra necessários durante a viagem: enjoo do animal, paragens, espaço extra.
- Se for a um restaurante ou outro local que não permita animais, terá que considerar onde deixar o animal. No hotel? No carro pode ser perigoso, em alturas muito quentes ou frias.
- No caso de viagens de avião, cuidados extra necessários antes da viagem: passaporte, vacinas específicas, transportadora específica, encontrar uma companhia aérea que leve o animal para o destino, etc.

b) Hotéis para cães e gatos
Existem vários hotéis para cães e para gatos na zona de Lisboa. É melhor planear e reservar com antecedência, pois enchem facilmente, principalmente nos meses de verão.
Veja aqui os contactos de hotéis para cães e para gatos, na zona de Lisboa.

c) Serviços de Petsitting
Quando o animal prefere a sua própria casa ou quando prefere ter uma relação pessoal com a pessoa que o vai tratar, existem vários serviços de Petsitting na zona de Lisboa. Os Petsitters vão a sua casa, tratam do gato, passeiam o cão, dão medicamentos se necessário, levam ao veterinário se necessário, e fazem outros procedimentos por combinação.
Veja aqui os contactos de serviços de Petsitting na zona de Lisboa.

Muitas vezes existem dúvidas acerca daquilo que é esperado da família humana em relação aos seus animais de companhia, ou à forma como são tratados os animais em Portugal, quer estejam nas ruas ou em casa.
Deixamos o link para o site da Liga Portuguesa dos Direitos do Animal, que contém informação detalhada acerca da legislação portuguesa referente a animais.

a) O meu cão/gato mostrou comportamento agressivo de repente, o que faço?
Os motivos para um animal se tornar agressivo podem ir desde uma perturbação passageira até graves problemas de saúde. Veja também Porque é tão importante socializar animais bebés.

Se considera que houve uma mudança de comportamento súbita, por favor leve o animal rapidamente a uma consulta ou fale com o veterinário habitual.

Muitas pessoas interpretam a situação como sendo "maldade", "mau comportamento" ou "loucura" e não procuram um veterinário, permitindo que a situação se agrave até um ponto em que toda a rotina familiar foi afetada e é muito difícil voltar ao estado de confiança inicial.

Na verdade, muitos animais que mostram comportamentos agressivos estão com muitas dores ou estão em pânico, e tentam defender-se de algo que nós não estamos a ver.

O veterinário vai primeiro despistar possíveis causas físicas que tenham levado à alteração de comportamento, e tratar o problema de saúde.

Não sendo encontradas causas físicas, o veterinário poderá indicar um tratamento que influencie o bem-estar psicológico do animal, ou aconselhar a consulta com um veterinário especialista em comportamento animal.

b) Porque é tão importante socializar animais bebés
Os cães e gatos adultos que foram sociabilizados ativamente em bebés são menos propensos a ter medo em situações desconhecidas e adaptam-se melhor a mudanças no seu ambiente.

É importante notar que a sociabilização deve começar muito cedo. Nos gatos, o período fundamental é entre as 2 e as 7 semanas de vida, estendendo-se facilmente até aos três meses.
Nos cães, a melhor altura é entre as 6 e as 16 semanas de idade.

As mães cadelas e gatas já fazem a sua parte naturalmente, e o acompanhamento dos bebés pelas mães até aos dois meses de idade é determinante no seu comportamento futuro.
Infelizmente, há situações em que isto não é possível, devido ao abandono dos bebés ou outras causas de força maior. Nesses casos, a socialização tem que ser totalmente feita pela família humana ou pelas famílias de acolhimento temporário.

Durante este tempo, os cães e gatos bebés estão mais recetivos a novas experiências, e tudo aquilo que encontrarem e aprenderem nesta idade, irão considerar como fazendo parte da vida normal no futuro: pessoas desconhecidas, crianças humanas, outros animais, outras casas, barulho, viagens de carro, idas ao veterinário, partilha de brinquedos e comida com outros animais, etc.

Em Adulto?
Embora seja mais fácil sociabilizar um animal quando ele é muito jovem, a verdade é que nunca é tarde para começar.

Neste momento, há vários centros e escolas de treino especializados em sociabilização de cães, e também de gatos. Veja os nossos Contactos de especialistas em comportamento.

O mais importante é nunca adiar, e não deixar por resolver um comportamento inapropriado, seja em que idade for.

c) A esterilização tem influência no comportamento?
Sim. Há várias melhorias a notar no comportamento de cães, gatos, cadelas e gatas.
Tanto machos como fêmeas ficam mais calmos e deixam de ter comportamentos relacionados com o cio.
- Há menos propensão para fugas, evitando desaparecimentos de animais e mortes por atropelamento.
- Diminui a competição entre machos, causada pela disputa pelas fêmeas.
- Desaparece a marcação do território com urina, ou é reduzida.
- Fim dos miados normais em gatas com o cio.
- Maior facilidade em passear um cão macho na rua, na proximidade de cadelas em cio.
- Acaba a dificuldade em passear uma cadela com o cio devido aos cães machos na rua.

d) Especialistas em comportamento animal - zona de Lisboa
Contactos de especialistas em comportamento na zona de Lisboa..
e) Como aproximar dois gatos
Veja o nosso guia com indicações para juntar dois gatos. Por favor siga à risca, mas sempre tendo em conta que os vários passos a seguir têm durações diferentes consoante a personalidade dos animais, e apenas o dono em casa poderá avaliar isso.

Veja também este folheto com atividades interessantes para gatos, pois ajudam a reduzir o stress e entretêm-nos com outras coisas.

Em resumo, o mais importante inicialmente é que os gatos apenas associem coisas boas e recompensas à presença um do outro, com atenção especial para aquele que já habitava a casa, uma vez que foi ele “o invadido”. Por favor recompense os gatinhos à vontade, com comida especial, festas, brinquedos, e tudo aquilo de que se lembrar que eles gostem.

O animal já residente deve sempre receber as festas primeiro. Nunca lhe deve tirar direitos, como usar a sua divisão preferida para fechar temporariamente o recém chegado ou trocar de sítio a sua tigela ou o seu caixote de areia, ou tirar-lhe o lugar na cama à noite. As coisas são dele, não devem ser mexidas.

Os gatos nunca devem ser apresentados de repente. Encontre a divisão da casa que o gato residente gosta menos, e coloque lá o recém chegado. A partir daí siga o guia, mas com calma.

A certa altura eles vão interagir fisicamente, ou pelo menos visualmente. É normal que hajam “bufadelas” e patadas. Não é suposto envolverem-se em lutas, gritos e perseguições. As bufadelas e patadas são necessárias, porque eles têm que estabelecer uma hierarquia para se darem bem. Permita-lhes isso, mas não mais.

Os humanos residentes não se devem mostrar nervosos, nunca. Ambos os gatos (e principalmente o vos conhece melhor) vão perceber o nervosismo/medo dos humanos, e não vendo mais nada de diferente irão associar isso ao outro animal, o que levará a uma reação de defesa.

Um período de adaptação considerado bem sucedido raramente dura menos do que 15 dias.
Mas a espera compensa, e em pouco tempo toda a família estará mais unida que nunca!

Que outras associações existem em Lisboa?
Felizmente existem várias outras Associações em Lisboa.
Algumas têm veterinário, outras têm albergues, outras providenciam apoio em várias áreas da proteção animal.
Verifique por favor a nossa Lista de Contactos úteis na Região de Lisboa.

Os sócios de outras associações podem ser atendidos na AZP?
Qualquer pessoa se pode dirigir à AZP com o seu animal para consulta, a qualquer hora.
Neste momento, apenas os sócios da União Zoófila têm direito aos mesmos preços que os sócios da AZP, na utilização do hospital veterinário e em todos os produtos e serviços.